Pular para o conteúdo principal

O EFEITO DAS DROGAS NO SEXO


O Efeito das drogas no sexo.

Drogas são substâncias naturais ou sintéticas que produzem alguma mudança mental ou física ao entrarem no organismo, modificando assim suas funções.
Há drogas cujos uso e comercialização são permitidos por lei como o tabaco, o álcool, os calmantes, os estimulantes ou depressores do apetite, por exemplo.
As drogas naturais vêm de algumas plantas, de animais e de alguns minerais. Ex.: cafeína (café), nicotina (tabaco), ópio (papoula), THC (maconha).
As drogas sintéticas são produzidas em laboratório.

Não há como falar em drogas sem fazer referência aos efeitos nocivos ou às suas possíveis consequências em relação à sexualidade.
As palavras sexo e drogas pareceram historicamente possuir um “e” entre elas. Como se o consumo de drogas e a atividade sexual fizessem parte de um mesmo comportamento.
Isso tudo porque existe a idéia de que o prazer do ato sexual é potencializado pela ação de substâncias químicas!!!


Porém, o que os estudos nos mostram é que a sexualidade é afetada pelas drogas de diferentes formas:

ÁLCOOL: O uso demasiado tem uma ação depressora do Sistema Nervoso Central, contribuindo direta ou indiretamente para: Dificuldade de ereção, redução dos níveis de testosterona e do número de espermatozóides, redução da secreção vaginal (diminuindo a lubrificação), redução do desempenho sexual, dificuldade de orgasmo e outras disfunções sexuais.
Uma pesquisa da UNIFESP nos diz que o uso do álcool controla a ansiedade das mulheres, fazendo com que fiquem mais desinibidas e soltas, porém, dificulta a sensação de prazer. E para os homens, podem perder a ereção porque o álcool reduz o controle muscular.
As disfunções sexuais chegam a atingir mais de 80% dos dependentes de álcool.

TABACO: O uso crônico do tabaco pode levar a piora dos sintomas menstruais, à redução de testosterona, à piora na capacidade de ereção e à dificuldade de excitação, devido à vasoconstrição nos órgãos eréteis (pênis e vagina), provocando diminuição de entrada de sangue nesses órgãos.

MACONHA: O abuso no uso da maconha prejudica a excitação sexual e o orgasmo.

COCAÍNA: Seu uso inibe o desejo sexual pois, a necessidade de falar, de se movimentar e de se manter em atividade física, faz com que o sexo fique em segundo plano.
O uso crônico leva à dificuldade para manter a ereção e prejudica a ejaculação. Os sintomas persistem algum tempo após a abstinência.

CRACK: Está associado ao aumento da atividade sexual, devido aos usuários procurarem a prostituição como forma de conseguir dinheiro para adquirir a droga.
Na realidade o uso do crack diminui a libido e causa disfunção sexual em homens e mulheres.

ANFETAMINAS e MDMA: 
O Ecstasy é conhecido como “a droga do amor”, pois aumenta a sensibilidade, sensualidade e o desejo sexual, mas, ele afeta diretamente a ereção, a ejaculação e o orgasmo.
Através destes exemplos vê-se que a sexualidade é afetada pelas drogas. O usuário, torna-se incapaz de experimentar e viver trocas afetivas verdadeiras, de enriquecer-se com o relacionamento interpessoal, de compartilhar a intimidade e o prazer.


O uso de drogas também relaxa os cuidados com a prevenção. Assim, as pessoas sob efeito de drogas, deixam o preservativo de lado com muita facilidade. Por isso o crescente número de HIV/AIDS entre os usuários de drogas e seus parceiros sexuais.

Dados da Sociedade Brasileira de Medicina Sexual comprova a relação direta do consumo de álcool e a diminuição do uso de preservativos: 73,7% dos entrevistados numa pesquisa, que usaram álcool e tiveram relação sexual na noite anterior, NÃO tinham usado preservativos.

Além de outras consequências na vida, o consumo de drogas aumenta a frequência de parceiros sexuais casuais e a chance de uma prática sexual de risco.
São também sérios candidatos as Doenças Sexualmente Transmissíveis, e as DSTs são os principais fatores facilitadores da transmissão sexual do vírus HIV, pois as feridas nos órgãos genitais facilitam a entrada do vírus da AIDS.


Por todos esses motivos, seja mais inteligente e seja adepto do sexo saudável e protegido.
Fonte:http://embriaguezsagrada.blogspot.com.br/2010/08/o-efeito-das-drogas-no-sexo.html

Postagens mais visitadas deste blog

A ADOLESCÊNCIA E O DESPERTAR DA SEXUALIDADE

Eu e o Sexo:Tanto os pais como os professores encorajam para que eles tenham boas notas, aconselham a escolher cuidadosamente a sua área de estudo, pensar na média para fazer o curso; noutras palavras que construam um projecto de vida académico e profissional, mas esquecem-se daquilo que, hoje em dia, dá mais problemas: A Sexualidade. Esta fica num vácuo. Por vezes parece que as únicas alternativas oferecidas aos adolescentes, neste campo, são: a entrega para a mão de um preservativo, ou de uma embalagem de pílulas contraceptivas, com a mensagem (inconsciente) de: “Faz o que quiseres! Mas não me apareças em casa grávida ou doente!”, ou de não falar em nada relacionado com a sexualidade, com medo de lhes dar ideias.

Nesta idade os rapazes interessam-se pelo que está a acontecer com o seu corpo. Gostam de saber que a sua coordenação física, consequência do surto do crescimento que sofrem, é temporária e que vão voltar a ser uns azes no seu desporto favorito; que o tamanho do pénis não é…

AS REVELAÇÕES SOBRE O CÉREBRO ADOLESCENTE

Mônica Tarantino, Monique Oliveira e Luciani Gomes
As revelações sobre o cérebro adolescente
Novas pesquisas decifram as transformações cerebrais que acontecem na adolescência, explicam comportamentos típicos e sugerem como lidar com eles
21.10.11 - 21h00 - Atualizado em 21.01.16 - 11h19 30


O que faz uma garota de 14 anos passar o dia inteiro emudecida, trancada no quarto? Ou ir do riso à fúria em menos de um segundo? Pode ser realmente difícil entender a cabeça de um adolescente. Para ajudar nesta tarefa, a ciência está empreendendo um esforço fantástico. Nos Estados Unidos, ele está sendo capitaneado pelo Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos (NIMH). O órgão – um dos mais respeitados do mundo – está patrocinando uma linha de estudos focada na busca de informações para compreender o que está por trás das oscilações de humor e comportamentos de risco que marcam a adolescência. E as informações trazidas pelos estudos realizados até agora estão construindo uma nova visão da m…