Pular para o conteúdo principal

SÍNDROME DA ALIENAÇÃO PARENTAL(SAP)

Resultado de imagem para Síndrome da alienação parental(SAP)

Síndrome da alienação parental(SAP)

Luiza Fletcher • 29 de abril de 2015

A Síndrome da Alienação Parental (SAP) caracteriza-se principalmente pela rejeição, sem nenhuma justificativa, por parte de um filho por algum dos seus pais. Mas o detalhe dessa situação é que esse sentimento de desamor não surge de maneira “natural”, e , sim, é algo “programado” pelo outro progenitor com quem a criança convive ou passa a maior parte do tempo.
Fundamentalmente, nesta desordem, os filhos são usados sem consideração, ignorando o dano psicológico permanente que o progenitor alienador está causando. É como muitos de nós nos perguntamos: é possível que um pai use indiscriminadamente um filho com a única finalidade de se vingar ou atingir o outro progenitor?

Desenvolvimento do SAP: Mãe versus Pai

Habitualmente, essa situação se desenvolve em situações de separação ou divórcio, nas quais, obviamente, a custódia física e moral dos filhos está em jogo. É dessa forma que o progenitor que é responsável pelo filho a maior parte do tempo (alienador) incita na criança sentimentos de ódio, rejeição e humilhação do outro progenitor (alienado).
O alienador faz o papel de vítima diante dos seus filhos, papel no qual joga a culpa no outro progenitor pela separação, fazendo com que os filhos se sintam traidores aos se relacionar com o pai rejeitado. Nessa patologia, o alienador realiza aquilo que se considera uma lavagem cerebral em seu filho, que chega ao ponto de mentir ou realizar falsas declarações contra o pai alienado para não perder o afeto do progenitor com quem convive.

Consequências do SAP: Psicológicas e Físicas

Na Síndrome da Alienação Parental, o alienador é consciente das ações que realiza e dos efeitos que tais ações têm sobre o cônjuge. Entretanto, ignora o fato de que usar seu filho para causar danos ao outro progenitor deixa cicatrizes irreparáveis no bem-estar da criançaSendo assim, a criança pode chegar a ter graves perturbações no seu comportamento porque a sua própria capacidade de racionalizar foi manipulada.

Vamos ver como se manifestam alguns danos nos filhos que vivem essa situação:
Alteração na Estabilidade Emocional:é uma das principais consequência da SAP, caracterizada por um sentimento de ansiedade e estresse, que algumas crianças experimentam quando estão em contato com o progenitor alienado (aquele do qual foi afastado emocionalmente).
Transtorno nos hábitos cotidianos, como alimentação e o sono:a criança se sente confusa e incapaz de enfrentar a situação. Este estado de ânimo, por sua vez, não lhe permite conciliar o sono ou comer adequadamente.
Perturbações na Conduta:refletidas no aumento da agressividade da suas ações aos demais. Fazem isso para chamar atenção e manifestar as emoções que não conseguem expressar livremente.

Como lidar com a Síndrome da Alienação Parental?

Os profissionais da área recomendam que o menor continue em contato com o progenitor alienado. Isso vai garantir que a relação entre pai ou mãe e filho não seja completamente extinta. Da mesma forma, recomenda-se não fazer reprovações ou criticar a conduta da criança porque isso só aumentaria a SAP.
Obviamente, a solução definitiva da Síndrome de Alienação Parental depende principalmente de uma mudança de mentalidade do progenitor alienadorEssa mudança contribuirá para que o menor e o progenitor alienado voltem a ter uma relação estável que lhes foi negada pela atitude negativa do outro progenitor. Normalmente, essa mudança não é fácil, razão pela qual pode ser necessária a assistência psicológica para o pai alienador e, melhor ainda, para todos os familiares envolvidos, tanto adultos quanto crianças.
Manipular um filho nunca é aceitável sob nenhum conceito, mas especialmente quando a estabilidade emocional e psicológica do pequeno está em jogo. O fim simplesmente não justifica os meios.
___


 Resultado de imagem para Síndrome da alienação parental(SAP)

Postagens mais visitadas deste blog

A ADOLESCÊNCIA E O DESPERTAR DA SEXUALIDADE

Eu e o Sexo:Tanto os pais como os professores encorajam para que eles tenham boas notas, aconselham a escolher cuidadosamente a sua área de estudo, pensar na média para fazer o curso; noutras palavras que construam um projecto de vida académico e profissional, mas esquecem-se daquilo que, hoje em dia, dá mais problemas: A Sexualidade. Esta fica num vácuo. Por vezes parece que as únicas alternativas oferecidas aos adolescentes, neste campo, são: a entrega para a mão de um preservativo, ou de uma embalagem de pílulas contraceptivas, com a mensagem (inconsciente) de: “Faz o que quiseres! Mas não me apareças em casa grávida ou doente!”, ou de não falar em nada relacionado com a sexualidade, com medo de lhes dar ideias.

Nesta idade os rapazes interessam-se pelo que está a acontecer com o seu corpo. Gostam de saber que a sua coordenação física, consequência do surto do crescimento que sofrem, é temporária e que vão voltar a ser uns azes no seu desporto favorito; que o tamanho do pénis não é…

AUTOMUTILAÇÃO,UM FLAGELO DOS JOVENS NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O QUE É A AUTOMUTILAÇÃO ?

Automutilação (AM) é definida como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os atos geralmente têm como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Borderline. As formas mais frequentes de automutilação são cortar a própria pele, bater em si mesmo, arranhar-se ou queimar-se. A automutilação é comum entre jovens e adolescentes que sofrem pressão psicológica.


DefiniçãoAutomutilação refere-se a comportamentos onde demonstráveis feridas são autoinfligidas. A maioria das pessoas que se automutilam estão bastante conscientes de suas feridas e cicatrizes e tomam atitudes extremas para escondê-las dos outros. Eles podem oferecer explicações alternativas para suas feridas, ou tapar suas cicatrizes com roupas. A pessoa que se automutila não está, usualmente, querendo interromper sua própria vida, mas sim usando esse comportamen…

"ESSA É UMA GERAÇÃO QUE QUER DESCONTRUIR",SEGUNDO PAULA LIMENA CURY AUTORA DO LIVRO THE MILLENIAL MIND

Formada em psicanálise, marketing e moda, Paula Limena Cury é diretora de projetos na Archetype Discoveries Worldwide, nos Estados Unidos, companhia que tem como clientes mais de 50 das empresas do ranking Fortune 100, entre outras (Foto: Arquivo pessoal)“Essa é uma geração que quer desconstruir“A passagem do mundo analógico para o digital criou um abismo inédito entre a forma de pensar das gerações. A “geração do milênio” não é responsável por tudo o que é ruim, alerta a autora do livro The Millenial Mind. Individualistas, hiperconectados, desfocados, preguiçosos e perturbadores do sistema. Essas são as características mais repetidas para definir a “geração Y” ou “geração do milênio” – pessoas nascidas entre 1980 e meados de 1990. Mas a brasileira Paula Limena Cury não concorda com nada disso. Usando da sua formação em psicanálise e marketing, a especialista em projetos de branding, inovação e estratégia desconstrói esses rótulos em seu livro The Millennial Mind (“A Mente Millennial”,…