Pular para o conteúdo principal

TECNOLOGIA : ESSA GERAÇÃO AUTODIDATA DÁ UM BAILE NA GENTE,NÃO É ?

Essa geração autodidata dá um baile na gente, não é?

Tecnologia

Essa geração autodidata dá um baile na gente, não é?


Novas tecnologias permitem a crianças e adolescentes aprenderem habilidades sozinhas. Você está pronta para acompanhar seu filho?


Eles passam um tempão na frente de uma tela, seja da televisão, do smartphone, do computador, do tablet... De repente, surpreendem com um truque novo!

Essa geração de autodidatas, que vê a internet como uma ferramenta mágica para adquirirem conhecimento (que seria de difícil acesso em outras épocas, diga-se), só cresce.
Isso acontece com frequência na casa de Luca Ceneviva (foto acima). O garoto de 6 anos corre para o computador sempre que quer aprender algo novo.
Apaixonado por jogos virtuais, sempre apela para a internet para buscar dicas de como pular fases.
“Gosto ainda de ver os vídeos que ensinam a jogar carta e a montar Legos. Também procuro letras das músicas que escuto nas aulas de inglês da escola para treinar em casa”, conta. Giovanna, mãe de Luca, lembra que o garoto tem apenas uma hora por dia para fazer atividades usando a internet.
Já Vinícius, 13 anos, aproveita os finais de semana para andar de skate com o pai. Embora Márcio Munhos tenha ensinado diversas manobras ao filho, os dois dividem a paixão por deixar o passeio sempre mais radical. “Assisto a vários vídeos de manobras de skate. O bom é que dá para ver várias vezes”, afirma Vinícius.
Antes mesmo de começar a frequentar a escola, Arthur Ramos (foto abaixo) já usava a internet para entender melhor sua calopsita de estimação. Foi ele quem explicou à mãe por que o pássaro não cantava.

“Ela era fêmea. Apenas os machos cantam. Descobri isso e muitas outras curiosidades vendo vídeos na internet”, afirma o garoto de 6 anos.
Além da diversão, essas crianças também encontram na rede uma forma de melhorarem seu desempenho na escola. “Quando não sei fazer algum desenho que preciso nas lições de casa, gosto de olhar as figuras no Google. Assim, consigo desenhar melhor”, diz Luca.
Para Vinícius, a internet ajuda bastante a reforçar alguns pontos novos aprendidos na escola. “Consulto vários sites para tirar dúvidas de matérias escolares”, afirma o estudante.
Palavra de especialista
Será que essas atividades são tão lúdicas quanto as formas tradicionais de aprendizado?
Os especialistas são enfáticos ao afirmar os prós em deixar as crianças desbravarem o mundo via internet.
“A rede não deve ser vista pelos pais como um inimigo à educação de seus filhos e, sim, como uma aliada. Existem alguns sites interessantes e que ajudam bastante na aprendizagem da criança. As páginas online estimulam o raciocínio lógico, a rapidez nas decisões, ensinam idiomas e enriquecem o vocabulário dos pequenos”, afirma a pediatra Cristiana Meirelles.
No entanto, a psicóloga Daniella Marques destaca que é necessário impor disciplina ao uso da rede, especialmente pelos conteúdos inadequados para a idade, que podem ser facilmente acessados.
Daniella ainda sugere que existam regras para o uso de objetos eletrônicos e que elas sejam respeitadas por toda a família. “É indicado que haja a definição de horários e dias da semana, porém, os pais devem sempre lembrar que, para que a regra seja assertiva, todos da família devem cumpri-la”, afirma.
O importante, de acordo com Heloísa Capelas, terapeuta familiar do Centro Hoffman, é a atenção dos responsáveis na rotina dos filhos, fator determinante para saber dosar o tempo que as crianças podem passar usando a internet. Ela também aconselha não deixar de estimular outras atividades.
“Incentive também ações que explorem a criatividade com brincadeiras que envolvam o corpo, a parte física, também importante para o crescimento saudável e que ajudam na criatividade e em outras habilidades”, ressalta.
A terapeuta destaca que é sempre válido deixar as crianças aprenderem coisas novas por conta própria, independente do meio. “O caminho do faça e caminhe você mesmo é fundamental para o ser humano evoluir e obter autovalor”, afirma.
Mas se você não está preparada para acompanhar esse comportamento dos filhos, uma dica: “Pode ser que nem sempre consiga acertar logo de cara, mas reconhecer e continuar firme é imprescindível. Se interesse por seu filho e pela rotina de vida dele – no mundo real e no virtual. Participe, dedique a ele a maior ‘qualidade do seu tempo’”, finaliza Heloísa.
(Fotos: Arquivos pessoais)

Fonte:http://disneybabble.uol.com.br/br/tecnologia/essa-geracao-autodidata-da-um-baile-na-gente-nao-e

Essa geração autodidata dá um baile na gente, não é?

Postagens mais visitadas deste blog

A ADOLESCÊNCIA E O DESPERTAR DA SEXUALIDADE

Eu e o Sexo:Tanto os pais como os professores encorajam para que eles tenham boas notas, aconselham a escolher cuidadosamente a sua área de estudo, pensar na média para fazer o curso; noutras palavras que construam um projecto de vida académico e profissional, mas esquecem-se daquilo que, hoje em dia, dá mais problemas: A Sexualidade. Esta fica num vácuo. Por vezes parece que as únicas alternativas oferecidas aos adolescentes, neste campo, são: a entrega para a mão de um preservativo, ou de uma embalagem de pílulas contraceptivas, com a mensagem (inconsciente) de: “Faz o que quiseres! Mas não me apareças em casa grávida ou doente!”, ou de não falar em nada relacionado com a sexualidade, com medo de lhes dar ideias.

Nesta idade os rapazes interessam-se pelo que está a acontecer com o seu corpo. Gostam de saber que a sua coordenação física, consequência do surto do crescimento que sofrem, é temporária e que vão voltar a ser uns azes no seu desporto favorito; que o tamanho do pénis não é…

AUTOMUTILAÇÃO,UM FLAGELO DOS JOVENS NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O QUE É A AUTOMUTILAÇÃO ?

Automutilação (AM) é definida como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os atos geralmente têm como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Borderline. As formas mais frequentes de automutilação são cortar a própria pele, bater em si mesmo, arranhar-se ou queimar-se. A automutilação é comum entre jovens e adolescentes que sofrem pressão psicológica.


DefiniçãoAutomutilação refere-se a comportamentos onde demonstráveis feridas são autoinfligidas. A maioria das pessoas que se automutilam estão bastante conscientes de suas feridas e cicatrizes e tomam atitudes extremas para escondê-las dos outros. Eles podem oferecer explicações alternativas para suas feridas, ou tapar suas cicatrizes com roupas. A pessoa que se automutila não está, usualmente, querendo interromper sua própria vida, mas sim usando esse comportamen…

"ESSA É UMA GERAÇÃO QUE QUER DESCONTRUIR",SEGUNDO PAULA LIMENA CURY AUTORA DO LIVRO THE MILLENIAL MIND

Formada em psicanálise, marketing e moda, Paula Limena Cury é diretora de projetos na Archetype Discoveries Worldwide, nos Estados Unidos, companhia que tem como clientes mais de 50 das empresas do ranking Fortune 100, entre outras (Foto: Arquivo pessoal)“Essa é uma geração que quer desconstruir“A passagem do mundo analógico para o digital criou um abismo inédito entre a forma de pensar das gerações. A “geração do milênio” não é responsável por tudo o que é ruim, alerta a autora do livro The Millenial Mind. Individualistas, hiperconectados, desfocados, preguiçosos e perturbadores do sistema. Essas são as características mais repetidas para definir a “geração Y” ou “geração do milênio” – pessoas nascidas entre 1980 e meados de 1990. Mas a brasileira Paula Limena Cury não concorda com nada disso. Usando da sua formação em psicanálise e marketing, a especialista em projetos de branding, inovação e estratégia desconstrói esses rótulos em seu livro The Millennial Mind (“A Mente Millennial”,…