Pular para o conteúdo principal

80% DOS JOVENS DE 18 ANOS TÊM MEDO DE SOFRER ABUSO SEXUAL ONLINE

Foto: Unicef/UN018674/Zehbrauskas

80% dos jovens de 18 anos têm medo 

de sofrer abuso sexual online

Unicef ouviu mais de 10 mil adolescentes de 25 países; 
metade acredita que os amigos têm comportamento 
de risco enquanto usam a internet; relatório menciona 
garota brasileira vítima de bullying na rede de 
computadores.

Para 67% das meninas que participaram da 
pesquisa do Unicef, receber comentários sexuais é, 
sim, uma preocupação. 

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Uma pesquisa do Fundo da ONU para a Infância, Unicef, revela que 80% dos jovens de 18 anos de idade temem sofrer abuso sexual online. Mais da metade acredita que os amigos se envolvem em comportamentos de risco quando usam a internet.
O Unicef ouviu mais de 10 mil jovens de 18 anos em 25 países. O levantamento revela perspectivas e riscos num mundo cada vez mais conectado. Mas os adolescentes confiam que têm capacidade de estarem seguros, sendo que 90% acreditam que podem evitar perigos enquanto navegam na internet.
Brasileira
O relatório traz o depoimento de uma brasileira, vítima de bullying na internet e isolamento social. Ela teve o celular roubado durante as férias e suas fotos explícitas foram compartilhadas com os colegas da escola.
Seis entre 10 entrevistados confessaram que conhecem novas pessoas pela internet, que acabam se tornando importantes na vida deles. Mas apenas 36% acredita fortemente saber quando as pessoas mentem sobre sua identidade online.
Abuso Sexual
O Unicef também quis saber se receber comentários sexuais é uma preocupação: 67% das meninas responderam que sim, comparado com 47% dos garotos.
Quando os jovens recebem ameaças online, a maioria busca o apoio dos amigos, ignorando pais e professores. Para engajar crianças e adolescentes na luta pelo fim da violência na internet, o Unicef está lançando a campanha #ReplyforAll.
A iniciativa coloca os jovens como mensageiros e defensores da segurança online. Usando a hashtag, os adolescentes podem partilhar ideias sobre como evitar riscos e conscientizar os amigos.
O Unicef também pede aos governos o estabelecimento de respostas coordenadas entre justiça criminal, segurança das crianças, educação, saúde e sociedade civil.
O diretor do Unicef para Proteção das Crianças, Cornelius Williams, destaca que no mundo, 30% dos usuários são crianças, por isso a importância de garantir que os menores de idade aproveitem os benefícios da internet e dos celulares, mas sem correr  riscos.

Fonte:http://www.unmultimedia.org/radio/portuguese/2016/06/80-dos-jovens-de-18-anos-tem-medo-de-sofrer-abuso-sexual-online/#.V1c7YG_mqUl

Postagens mais visitadas deste blog

A ADOLESCÊNCIA E O DESPERTAR DA SEXUALIDADE

Eu e o Sexo:Tanto os pais como os professores encorajam para que eles tenham boas notas, aconselham a escolher cuidadosamente a sua área de estudo, pensar na média para fazer o curso; noutras palavras que construam um projecto de vida académico e profissional, mas esquecem-se daquilo que, hoje em dia, dá mais problemas: A Sexualidade. Esta fica num vácuo. Por vezes parece que as únicas alternativas oferecidas aos adolescentes, neste campo, são: a entrega para a mão de um preservativo, ou de uma embalagem de pílulas contraceptivas, com a mensagem (inconsciente) de: “Faz o que quiseres! Mas não me apareças em casa grávida ou doente!”, ou de não falar em nada relacionado com a sexualidade, com medo de lhes dar ideias.

Nesta idade os rapazes interessam-se pelo que está a acontecer com o seu corpo. Gostam de saber que a sua coordenação física, consequência do surto do crescimento que sofrem, é temporária e que vão voltar a ser uns azes no seu desporto favorito; que o tamanho do pénis não é…

AUTOMUTILAÇÃO,UM FLAGELO DOS JOVENS NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O QUE É A AUTOMUTILAÇÃO ?

Automutilação (AM) é definida como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os atos geralmente têm como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Borderline. As formas mais frequentes de automutilação são cortar a própria pele, bater em si mesmo, arranhar-se ou queimar-se. A automutilação é comum entre jovens e adolescentes que sofrem pressão psicológica.


DefiniçãoAutomutilação refere-se a comportamentos onde demonstráveis feridas são autoinfligidas. A maioria das pessoas que se automutilam estão bastante conscientes de suas feridas e cicatrizes e tomam atitudes extremas para escondê-las dos outros. Eles podem oferecer explicações alternativas para suas feridas, ou tapar suas cicatrizes com roupas. A pessoa que se automutila não está, usualmente, querendo interromper sua própria vida, mas sim usando esse comportamen…

"ESSA É UMA GERAÇÃO QUE QUER DESCONTRUIR",SEGUNDO PAULA LIMENA CURY AUTORA DO LIVRO THE MILLENIAL MIND

Formada em psicanálise, marketing e moda, Paula Limena Cury é diretora de projetos na Archetype Discoveries Worldwide, nos Estados Unidos, companhia que tem como clientes mais de 50 das empresas do ranking Fortune 100, entre outras (Foto: Arquivo pessoal)“Essa é uma geração que quer desconstruir“A passagem do mundo analógico para o digital criou um abismo inédito entre a forma de pensar das gerações. A “geração do milênio” não é responsável por tudo o que é ruim, alerta a autora do livro The Millenial Mind. Individualistas, hiperconectados, desfocados, preguiçosos e perturbadores do sistema. Essas são as características mais repetidas para definir a “geração Y” ou “geração do milênio” – pessoas nascidas entre 1980 e meados de 1990. Mas a brasileira Paula Limena Cury não concorda com nada disso. Usando da sua formação em psicanálise e marketing, a especialista em projetos de branding, inovação e estratégia desconstrói esses rótulos em seu livro The Millennial Mind (“A Mente Millennial”,…