Pular para o conteúdo principal

COMO AS BRIGAS DOS PAIS AFETAM OS RELACIONAMENTOS DOS FILHOS ATÉ A VIDA ADULTA

  • Brigas fazem a criança sentir que tem de tomar partido do pai ou da mãe
    Brigas fazem a criança sentir que tem de tomar partido do pai ou da mãe

Discussão sim, briga não: como lidar com conflitos na frente das crianças

Atritos são comuns e normais nos relacionamentos e não é o fato de o casal ter um filho que fará com que eles desapareçam. Ver os pais discordarem de algo não impactará negativamente o desenvolvimento da criança, mas brigas intensas sim.
"As brigas são desestruturadoras para as crianças, pois elas sentem que precisam tomar partido de alguém e ficam amedrontadas, pensando que os pais podem se separar ou se agredir", afirma a psicóloga Ceres de Araújo, especialista em distúrbios da comunicação humana e professora da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo.
Como os pais são a primeira referência dos filhos, o comportamento agressivo e conflituoso pode se tornar um modelo a ser replicado pela criança. "É importante ser exemplo de autocontrole. Criança não tem essa habilidade, vai desenvolver com o tempo e com a educação. Se os adultos dizem que ela não pode xingar, brigar, bater, e eles mesmos quebram essas regras, ela não aprende", diz a educadora Lívia Maria da Silva, doutora em educação pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).
A psicóloga e psicopedagoga Nívea Fabricio conta que viu essa situação acontecer muitas vezes durante os 40 anos em que atende famílias em consultório e escolas. "Quando recebo uma criança mais afeita a conflitos, olho para os pais e vejo que eles passam esse modelo. Da mesma forma, um lar harmonioso forma indivíduos harmoniosos", conta ela, que também é terapeuta familiar e diretora do colégio Graphein, em São Paulo.

Aconteceu. O que fazer?

Se você perder o controle e entrar em um embate mais acalorado na presença dos filhos, retome a calma assim que possível e só continue a discussão quando estiver em um lugar reservado. Um deslize não causa danos graves, só não pode virar rotina. "Não precisamos ser perfeitos, mas, sim, perceber as nossas confusões e aprender com a experiência. Eu me exaltei? Impactei meu filho? Na próxima vez, vou contar até dez, dar uma volta, respirar e seguir em frente", fala a psicóloga e psicopedagoga Ana Cássia Maturano, que atende famílias em São Paulo.
Depois que os ânimos voltarem ao normal, os pais devem, juntos, conversar com o filho para explicar o que aconteceu, pedir desculpas e dizer que agora está tudo bem. "É preciso dar uma perspectiva de final feliz, para não deixar a criança preocupada e ansiosa", diz Ceres de Araújo.
A recomendação vale para qualquer idade, porque os bebês também sentem o clima ruim. "É preciso verbalizar para o bebê, de maneira simples e direta, já que ele ainda não entende do ponto de vista cognitivo, mas sente a carga afetiva", afirma Livia Maria da Silva. Para a criança até três anos, o mais importante é mostrar a reconciliação na prática, ou seja, chegar perto dela dando abraços e beijos no parceiro.

Discussões civilizadas são bem-vindas

Os únicos assuntos proibidos em qualquer circunstância são questões que envolvam a educação da criança e a intimidade do casal. Todos os outros temas podem e devem ser abordados na frente dos filhos, até para mostrar que é normal discordar e que é possível chegar a um acordo amigável. "Não é bom ficar escondendo os problemas da criança, porque ela percebe. Essa coisa velada, do não dito, pode dar a entender que ela não tem o direito de colocar seus sentimentos e dúvidas", diz Ana Cássia.
A discussão saudável mostra que existem diferentes pontos de vista, estimula o poder de argumentação e o diálogo, ajuda a identificar e expressar emoções diante de situações difíceis e a criar estratégias para lidar com os problemas. "É bom que os filhos vejam que discussão não é sinônimo de briga e que os pais não precisam pensar o mesmo sobre um assunto, desde que consigam avaliar a questão e chegar a uma solução comum. Esse exercício é muito útil para a formação da criança", declara Ceres de Araújo.

Fonte:http://mulher.uol.com.br/gravidez-e-filhos/noticias/redacao/2015/10/04/discussao-sim-briga-nao-como-lidar-com-conflitos-na-frente-das-criancas.htm

Brigas dos pais afetam os relacionamentos dos filhos até a vida adulta

  • Crianças que presenciam brigas violentas dos pais têm mais dificuldades em se relacionar
    Crianças que presenciam brigas violentas dos pais têm mais dificuldades em se relacionar
Você pode não se dar conta, mas discussões de casal diante dos filhos podem marcá-los para sempre. Foi exatamente isso o que aconteceu com Paula (que prefere não revelar o nome), relações-públicas que mora em São Paulo e tem 30 anos. Emocionada, ela garante não acreditar mais no amor. Para ela, um dos motivos de sua vida amorosa ser tumultuada é resultado dos exemplos que teve em casa: constantes confrontos dos pais e a separação dos dois.

"Eles acabaram com o casamento deles e eu com o meu, no ano seguinte. Fiquei tão passada quando descobri uma traição do meu pai que acabei fazendo do problema deles o meu. Conclusão: meu ex não aguentou tanta pressão", resume. Namorando há três anos outra pessoa, Paula diz ter a impressão de que a relação não vai decolar. "Quando me lembro das brigas que presenciei na minha infância e na adolescência, acho que não casarei e nem terei filhos", diz ela, que afirma lutar contra esses pensamentos, mas é difícil não associar família a um ambiente conturbado.

DEPOIMENTOS REAIS

A professora Lidia Weber fez a seguinte pergunta às crianças entrevistadas: "Se você pudesse fazer três pedidos para a fada madrinha realizar, quais você faria para ela mudar ou melhorar na sua casa, nos seus pais ou na sua escola?". Veja algumas respostas:

"Queria que meus pais parassem de gritar comigo e minha mãe parasse de me xingar." (menina de 6 anos - caso 32)

"Queria que meus pais não me batessem mais." (menina de 7 anos - caso 21)

"Queria que meus pais parassem de brigar entre eles e meu irmão não brigasse tanto comigo." (menino de 5 anos - caso 37)

Para Lidia Weber, professora e pesquisadora da UFPR, pós-doutora em desenvolvimento familiar, o comportamento dos pais tem sido um dos principais temas de pesquisa em relacionamento familiar nos últimos tempos, em todo o mundo.

"Sabemos, com certeza, que não basta ter ótimas práticas educativas. Os pais também devem ter bom relacionamento entre eles", explica a especialista. "Uma abordagem integrativa e interdisciplinar inclui três relações de influências mútuas em uma família: mãe-filhos, pai-filhos e relação conjugal."

Segundo Lidia, quanto mais os pais brigam entre si, mais a criança tem tendência de apresentar comportamentos denominados antissociais (brigar, mentir, praticar bullying, gritar etc.).

"Conflitos simples entre os pais não são apontados como problemas se o casal consegue resolver as diferenças. Porém, se as brigas continuam, podem levar a sinais de depressão, ansiedade e outros problemas transferidos às crianças", explica.

A professora realizou uma pesquisa –junto com sua assistente de mestrado em Educação, Gisele Stasiak– com 40 crianças entre 6 e 7 anos de idade, pais e professores. O estudo revelou dados curiosos sobre a influência conjugal na vida dos filhos. Veja o que foi detectado:
 

COMPORTAMENTO DAS CRIANÇAS DIANTE DA RELAÇÃO CONJUGAL DOS PAIS

Quanto melhor a interação familiar, menos estressante é a relação entre pais e filhos
Quanto mais as crianças percebem a desarmonia dos pais, menos regras os adultos colocam e mais elas são consideradas "difíceis" por eles
Quanto mais as crianças percebem um clima conjugal negativo, menor o índice de habilidades sociais
Quanto mais estressante a vida do casal, mais frequentes as punições físicas em relação às crianças
Crianças cujos pais têm uma relação harmônico têm melhores relacionamentos com os amigos

Discussões para o bem
Kátia Teixeira, psicóloga da Equipe de Diagnóstico e Atendimento Clínico de São Paulo (EDAC), defende o valor da experiência das brigas conjugais para crianças e jovens em formação. "Acredito que o problema não está na discussão, mas, sim, em como ela é conduzida. Discussões fazem parte dos relacionamentos. Se um casal diverge em algo, não precisa omitir dos filhos. Mas essa conversa deve acontecer com respeito, sem ofensas, humilhações e, especialmente, sem violência, seja ela física ou verbal", defende. "Casais que não se respeitam  possivelmente facilitarão o surgimento de conflitos nos filhos."
 

  • ThinkstockSe os seus filhos presenciarem uma briga séria, converse com eles depois e peça desculpas
Lidia diz que os filhos podem aprender muito com as crises. "As pessoas brigam e se reconciliam, podem ter opiniões diferentes e se amar mesmo assim; podem se amar e brigar de vez em quando... É importante aceitar a opinião de outros e saber perdoar", explica ela. "Brigas ruins são compostas por insultos pessoais, expressões de hostilidade, xingamentos e agressão física. Discussões que levam ao aprendizado mostram expressões verbais de apoio ao outro, compreensão e empatia; cumplicidade e compromisso para resolução do problema", diferencia.
 

SEIS DICAS DAS TERAPEUTAS PARA NÃO TRAUMATIZAR OS FILHOS

1. Evite ao máximo brigar seriamente na frente dos filhos, especialmente crianças pequenas, que acham isso assustador
2. Lembre-se de que crianças são sensíveis, observadoras e perceptivas. Elas sentem facilmente tensões, segredos e mal-estar. Como não sabem as causas, podem achar que são culpadas pelos desentendimentos dos pais
3. Leve em conta que brigar na frente dos filhos não é um bom comportamento; os pais devem ir a outro cômodo ou esperar os filhos dormirem
4. Se os seus filhos presenciaram uma briga séria, é preciso que eles vejam a resolução da situação. Assim, aprenderão que conflitos são normais e podem ser resolvidos através da comunicação. Deixe claro que as crianças não são culpadas de nada
5. Se saiu do sério, explique que a falta de controle foi um erro, em um momento de nervosismo, e peça desculpas
6. Nunca, sob hipótese alguma, inclua os filhos em uma briga. Também não peça que eles tomem partido de um ou de outro, jamais

Fonte:http://mulher.uol.com.br/comportamento/noticias/redacao/2011/04/03/brigas-dos-pais-afetam-os-relacionamentos-dos-filhos-ate-a-vida-adulta.htm


Postagens mais visitadas deste blog

GERAÇÃO Z REVOLUCIONARÁ O MUNDO

PUBLICADO EM 24/02/15 - 03h00 INTERNET
‘Geração Z’ e a necessidade de ficar conectado o dia todo Padrões de consumo, de socialização e de informação sofreram mudanças
Paris, França. Velocidade? Sim. Paciência? Não. Redes sociais? Sim. Livros? Não. Ambição? Sim. Obediência? Não. Videogames? Sim. Esportes? Não. Fique de olho na “geração Z”, apressada, pragmática, autônoma e teimosa. Esses 2 bilhões de jovens nascidos depois de 1995, com a internet, estão decididos a construir uma vida distante dos códigos e das aspirações dos mais velhos. São “mutantes”, como são denominados por alguns pesquisadores, 
Fascinados por sua fusão com o mundo digital. Eles navegam em várias telas e estão acostumados ao “tudo ao mesmo tempo, agora”. Soa normal pagar muito pelo último smartphone e, ao mesmo tempo, baixar gratuitamente filmes e músicas na internet. Os códigos dos adultos parecem defasados para eles, que gostam das marcas “rebeldes” e se informam, sobretudo, por meio das redes sociais, segundo estudos r…

O QUE É A GERAÇÃO Z E O MERCADO DE TRABALHO E DE CONSUMO ?

O que é Geração Z?
07/05/2013 Com frequência ouvimos muitos temas que discorrem a respeito da geração Y, porém uma nova geração vem despontado, a geração Z.

Com relação a idade, a geração Y é composta por jovens de 20 a 30 anos, e a geração Z por crianças e adolescentes de até 17 anos.

São os jovens que enquanto estudam a televisão fica ligada, ou mesmo podem estar postando em suas redes sociais e ouvindo música, ou seja estão acostumado a realizar ações com pluralidade.

A geração Z, semelhantes aos seus antecessores, são jovens inquietos, menos fiéis as marcas e adaptadas a realizar tarefas múltiplas. A diferença, entre ambas, é que a Z apresenta as mesmas características só de que maneira mais acentuada, uma vez que desenvolveu junto com os avanços tecnólogicos mais recentes.

Os especialistas apontam que é a geração Z é compreendida como uma geração que nasceu atrelada ao mundo de tecnologia, sendo impossível dar continuidade nas tarefas cotidianas sem a internet, smartphones, computadore…

O SIGNIFICADO DA AMIZADE COLORIDA

O SIGNIFICADO DA AMIZADE COLORIDA O que é Amizade Colorida:
Amizade colorida é um tipo de relacionamento onde há interação ou intenção sexual entre os envolvidos, mas isso não significa que sejam amigos. A diferença da amizade colorida para a amizade tradicional é a intimidade física que faz parte do relacionamento, não implicando compromisso com o parceiro. A tradução de amizade colorida para inglês é friends with benefits, cuja tradução literal é "amigos com benefícios". A amizade colorida tem as características de um namoro oficial, com beijos, abraços, carícias íntimas etc., mas não há as mesmas obrigações, como fidelidade, por exemplo. Surge a qualquer momento, seja com um amigo de infância, que passa a ser visto de forma diferente, seja com uma pessoa que conheceu numa festa e gostaria de voltar a encontrar, mas sem compromisso. Pode acontecer de uma delas (ou mesmo as duas), se apaixonar e querer levar a relação para algo mais sério. As consequências podem ser o término da …