Pular para o conteúdo principal

POR SAPATOS(E AMORES)QUE NÃO MACHUQUEM



Por Sapatos e Amores que Não Machuquem

Amores são como sapatos: os melhores são os que machucam. Quanto mais nas alturas eles nos elevam, mais duro é voltar a ter os pés no chão quando a festa termina.
Não é bem assim.
De que adianta viver rodeada de scarpins salto 15 se eles não foram feitos para dançar a noite inteira? E a história se repete. É descer do salto e andar de pés descalços sujeita a cacos de vidros no chão. Pois, é melhor correr o risco de se cortar do que parar de dançar, não é?
Sapatos (e amores), também precisam ser do número certo. Os maiores são frouxos, sobra muito espaço vazio, abandonam os pés e se fazem perder pelo caminho. Os menores apertam, sufocam, fazem sangrar e causam feridas pela falta de liberdade. De ambos os jeitos, exigem cuidado demais a cada passo para evitar tropeços no primeiro paralelepípedo. Dificultam a caminhada. Tornam impossível pegar a estrada e seguir adiante.
Não adianta se contentar com o “quase serviu”. Sapatos, assim como amores, não mudam seu jeito de ser só porque nos apaixonamos por eles.
Sapatos (e amores) precisam ser confortáveis, companheiros para enfrentar a caminhada junto. Precisam nos encorajar a trilhar um caminho leve, sem dor. Alguns se desgastam com o tempo, outros cedem e se rompem. Tudo bem. Aquele sapato (ou seria amor?) simplesmente não serve mais.
A busca hoje é esta. Por sapatos e amores que não machuquem e que nos levem cada vez mais longe.

Fonte: Escrito por Luiza Garmendia via Entenda os Homens

Postagens mais visitadas deste blog

GERAÇÃO Z REVOLUCIONARÁ O MUNDO

PUBLICADO EM 24/02/15 - 03h00 INTERNET
‘Geração Z’ e a necessidade de ficar conectado o dia todo Padrões de consumo, de socialização e de informação sofreram mudanças
Paris, França. Velocidade? Sim. Paciência? Não. Redes sociais? Sim. Livros? Não. Ambição? Sim. Obediência? Não. Videogames? Sim. Esportes? Não. Fique de olho na “geração Z”, apressada, pragmática, autônoma e teimosa. Esses 2 bilhões de jovens nascidos depois de 1995, com a internet, estão decididos a construir uma vida distante dos códigos e das aspirações dos mais velhos. São “mutantes”, como são denominados por alguns pesquisadores, 
Fascinados por sua fusão com o mundo digital. Eles navegam em várias telas e estão acostumados ao “tudo ao mesmo tempo, agora”. Soa normal pagar muito pelo último smartphone e, ao mesmo tempo, baixar gratuitamente filmes e músicas na internet. Os códigos dos adultos parecem defasados para eles, que gostam das marcas “rebeldes” e se informam, sobretudo, por meio das redes sociais, segundo estudos r…

O QUE É A GERAÇÃO Z E O MERCADO DE TRABALHO E DE CONSUMO ?

O que é Geração Z?
07/05/2013 Com frequência ouvimos muitos temas que discorrem a respeito da geração Y, porém uma nova geração vem despontado, a geração Z.

Com relação a idade, a geração Y é composta por jovens de 20 a 30 anos, e a geração Z por crianças e adolescentes de até 17 anos.

São os jovens que enquanto estudam a televisão fica ligada, ou mesmo podem estar postando em suas redes sociais e ouvindo música, ou seja estão acostumado a realizar ações com pluralidade.

A geração Z, semelhantes aos seus antecessores, são jovens inquietos, menos fiéis as marcas e adaptadas a realizar tarefas múltiplas. A diferença, entre ambas, é que a Z apresenta as mesmas características só de que maneira mais acentuada, uma vez que desenvolveu junto com os avanços tecnólogicos mais recentes.

Os especialistas apontam que é a geração Z é compreendida como uma geração que nasceu atrelada ao mundo de tecnologia, sendo impossível dar continuidade nas tarefas cotidianas sem a internet, smartphones, computadore…

A ADOLESCÊNCIA E O DESPERTAR DA SEXUALIDADE

Eu e o Sexo:Tanto os pais como os professores encorajam para que eles tenham boas notas, aconselham a escolher cuidadosamente a sua área de estudo, pensar na média para fazer o curso; noutras palavras que construam um projecto de vida académico e profissional, mas esquecem-se daquilo que, hoje em dia, dá mais problemas: A Sexualidade. Esta fica num vácuo. Por vezes parece que as únicas alternativas oferecidas aos adolescentes, neste campo, são: a entrega para a mão de um preservativo, ou de uma embalagem de pílulas contraceptivas, com a mensagem (inconsciente) de: “Faz o que quiseres! Mas não me apareças em casa grávida ou doente!”, ou de não falar em nada relacionado com a sexualidade, com medo de lhes dar ideias.

Nesta idade os rapazes interessam-se pelo que está a acontecer com o seu corpo. Gostam de saber que a sua coordenação física, consequência do surto do crescimento que sofrem, é temporária e que vão voltar a ser uns azes no seu desporto favorito; que o tamanho do pénis não é…