Pular para o conteúdo principal

O CONSUMO DE ALCOOL ENTRE JOVENS : UMA QUESTÃO DELICADA



O consumo de álcool entre jovens


UMA QUESTÃO DELICADA.

A bebida, que faz a garota relaxar demais na prática do sexo seguro, tem conseqüências além de doenças – entre as meninas que bebem, os casos de gravidez fora dos planos são bem mais comuns. “Se a jovem acima de 13 anos tem um pré-natal adequado, a gestação evolui sem problemas”, reconhece a obstetra Cristina Guazzelli, da Unifesp. Sem problemas de ordem física, bem entendido. “0 lado social e emocional é o mais preocupante, pois há uma ruptura na vida dessa menina.” A literatura médica registra que as mães adolescentes amamentam menos do que as adultas e seus filhos têm mais doenças. “Elas demoram a perceber alterações na criança”, justifica Cristina.

ENTRE UMAS E OUTRAS.

Compare o consumo de 
álcool entre jovens brasileiros, americanos e ingleses.
Quantos adolescentes brasileiros bebem de maneira considerada perigosa: 25%
Esta é a prevalência de consumo de álcool também entre os jovens ingleses : 25%
A porcentagem de adolescentes americanos que relataram tomar cinco ou maisbebidas alcoólicas seguidamente nos últimos 30 dias : 30%
Não dá para classificar um adolescente beberrão de alcoólatra, mas ele é candidato a padecer disso quando se tornar ura adulto. “Isso porque o alcoolismo leva uns seis anos para se desenvolver”, explica Silveira. O consumo excessivo de bebida nessa faixa etária é péssimo para o organismo. “O álcool é tóxico e mata as células cerebrais”, continua o psiquiatra. “Tenho pacientes de 20 anos com perda de memória semelhante à de portadores de Alzheimer”, revela.
Além do cérebro, outro alvo das bebedeiras da juventude é o fígado, que sofre calado nos primeiros anos. Com o passar da idade, ele se revela mais vulnerável a doenças como esteatose, quando se acumula gordura ao seu redor, e cirrose, que nada mais é do que a destruição do tecido hepático. “O álcool também interfere na produção de hormônios”, alerta Ana Cecília. “As glândulas sebáceas, por exemplo, passam a trabalhar em excesso, deixando a pele e os cabelos mais oleosos.” Não existe uma fórmula que mostre aos pais como lidar com essa situação. “Lei seca não é a saída. Isso só aumenta o consumo”, diz Cordeiro. “Num primeiro momento, pode-se dizer ao jovem que não beba”, aconselha o especialista. “Mas, se ele começar a beber, é preciso orientá-lo a não misturar bebidas e a se divertir sem pôr a vida em risco.” É difícil, mas tem de ser possível ensinar aos filhos o significado de moderação.
“Os pais hoje estão mais preocupados com o uso esporádico de maconha do que
com o consumo compulsivo de álcool”, alerta Dartiu.
Tem pai que é cego?

O alcoolismo na adolescencia



A notícia é preocupante: o álcool entra cada vez mais cedo e em doses altíssimas na vida de nossos adolescentes. A longo prazo, as conseqüências desses goles costumam ser desastrosas.
Beber acima de duas latas de cerveja por dia provoca perda de tecido cerebral. Boa parte dos nossos jovens ultrapassa esse limite.
Tatllágéttl no braço, pieririg no nariz, fones do iPod no ou vido c urna lata de cerveja na mão.  “E experimentam o:; primeiros goiCS por voll.i dos Io, I,anos”,- la a psiquiatra Ana Cecília iviia Ròselli Marques, presidente da Assoi íaçlo Brasileira de Estudos do Àl cool e Outras Drogas.”Trata se da droga mais usada pelos jovens”, diz Fran-cigco Cordeiro, que é assistente da Cpordénaç3o de Saúde Mental do Ministério da Saúde, “li muito fácil compra Ia, mesmo com a proibição de
sua venda a menores.”
Os resultados de um dos últimos le vantamentos do Programa de Oneu taçãq e Atendimento a Dependentes (Proad), da Universidade Federal de Sao Paulo, dispararam um sinal de alerta, Realizado com cerca de 300 jovens das classes A e B de 12 escolas particulares de Brasília, Campinas e São Paulo, o trabalho desvelou um perfil do consumidor de álcool entre a galera teen. Do total de jovens de 14 a 19 anos ouvidos, 25% tinham um comportamento consíderado de  risco relação .1 esse tipo de bebida de acordo com a Organização Mundial da Saúde: bebiarn pelo menos por 20 dias seguidos du rante um mês, um padífó considerado perigoso ale mesmo para um adulto.

Fonte:http://sobreasaude.com.br/tag/jovem-e-alcoolismo

Postagens mais visitadas deste blog

A ADOLESCÊNCIA E O DESPERTAR DA SEXUALIDADE

Eu e o Sexo:Tanto os pais como os professores encorajam para que eles tenham boas notas, aconselham a escolher cuidadosamente a sua área de estudo, pensar na média para fazer o curso; noutras palavras que construam um projecto de vida académico e profissional, mas esquecem-se daquilo que, hoje em dia, dá mais problemas: A Sexualidade. Esta fica num vácuo. Por vezes parece que as únicas alternativas oferecidas aos adolescentes, neste campo, são: a entrega para a mão de um preservativo, ou de uma embalagem de pílulas contraceptivas, com a mensagem (inconsciente) de: “Faz o que quiseres! Mas não me apareças em casa grávida ou doente!”, ou de não falar em nada relacionado com a sexualidade, com medo de lhes dar ideias.

Nesta idade os rapazes interessam-se pelo que está a acontecer com o seu corpo. Gostam de saber que a sua coordenação física, consequência do surto do crescimento que sofrem, é temporária e que vão voltar a ser uns azes no seu desporto favorito; que o tamanho do pénis não é…

AUTOMUTILAÇÃO,UM FLAGELO DOS JOVENS NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O QUE É A AUTOMUTILAÇÃO ?

Automutilação (AM) é definida como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os atos geralmente têm como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Borderline. As formas mais frequentes de automutilação são cortar a própria pele, bater em si mesmo, arranhar-se ou queimar-se. A automutilação é comum entre jovens e adolescentes que sofrem pressão psicológica.


DefiniçãoAutomutilação refere-se a comportamentos onde demonstráveis feridas são autoinfligidas. A maioria das pessoas que se automutilam estão bastante conscientes de suas feridas e cicatrizes e tomam atitudes extremas para escondê-las dos outros. Eles podem oferecer explicações alternativas para suas feridas, ou tapar suas cicatrizes com roupas. A pessoa que se automutila não está, usualmente, querendo interromper sua própria vida, mas sim usando esse comportamen…

"ESSA É UMA GERAÇÃO QUE QUER DESCONTRUIR",SEGUNDO PAULA LIMENA CURY AUTORA DO LIVRO THE MILLENIAL MIND

Formada em psicanálise, marketing e moda, Paula Limena Cury é diretora de projetos na Archetype Discoveries Worldwide, nos Estados Unidos, companhia que tem como clientes mais de 50 das empresas do ranking Fortune 100, entre outras (Foto: Arquivo pessoal)“Essa é uma geração que quer desconstruir“A passagem do mundo analógico para o digital criou um abismo inédito entre a forma de pensar das gerações. A “geração do milênio” não é responsável por tudo o que é ruim, alerta a autora do livro The Millenial Mind. Individualistas, hiperconectados, desfocados, preguiçosos e perturbadores do sistema. Essas são as características mais repetidas para definir a “geração Y” ou “geração do milênio” – pessoas nascidas entre 1980 e meados de 1990. Mas a brasileira Paula Limena Cury não concorda com nada disso. Usando da sua formação em psicanálise e marketing, a especialista em projetos de branding, inovação e estratégia desconstrói esses rótulos em seu livro The Millennial Mind (“A Mente Millennial”,…