Pular para o conteúdo principal

ESTUDOS COMPROVAM : NÃO HÁ LIGAÇÃO ENTRE VIDEOGAMES E VIOLÊNCIA

Mídia violenta não tem contribuído para o aumento da violência juvenil, afirma pesquisa (Foto: Reprodução)


Estudos comprovam: não há ligação entre videogames e violência


Pesquisador responsável acredita que está na hora de focar a atenção em problemas reais

Depois de anos de discussão – e infinitas suposições, um estudo publicado pelo psicólogo Christopher Ferguson, da Stetson University, mostrou que a relação entre o consumo de mídias violentas (como os games) e atos realmente violentos não existe. Mais que isso, a única tendência encontrada entre esses fatores no último século foi o fato de a violência ter diminuído entre os jovens.
O debate sobre essa relação é muito antigo. Desde 1920, quando a violência começou a ser retratada no cinema, a sociedade acaba ligando uma coisa a outra; normalmente reforçados por eventos pontuais, como alguns massacres ocorridos nos Estados Unidos. Contudo, o trabalho de Ferguson expõe que, ao passar das décadas, não houve nenhum elo significativo entre violência retratada e a propriamente dita.
Para o autor, os testes antigos – que normalmente mediam os níveis de agressão das pessoas enquanto jogavam games violentos e assistiam a filmes de ação – não ajudavam a entender essa questão. “Eles não conseguiam espelhar o que acontece realmente na vida”, conta o autor.
Primeiro, o pesquisador analisou os casos de filmes violentos e os dados de homicídios entre 1920 e 2005. Convidando experts independentes para seu estudo, ele e a equipe relacionaram os “níveis” de violência dos filmes mais populares com os números de crimes nos correspondentes anos. O resultado mostrou que não havia ligação entre ambos; a não ser no meio do século vinte. Nesse ponto da história, as duas taxas subiram muito: tanto de filme violentos como de atos. O curioso, no entanto, é que essa tendência atingiu o reverso em 1990.
Depois, Ferguson chegou aos games, analisando as taxas de consumo de jogos agressivos com os números de jovens violentos entre 1996 e 2011. Especialistas do US Entertainment Software Ratings Board (ESRB) quantificaram esses dados e chegaram aos mesmos resultados do cinema: uma diminuição na juventude homicida. Sobre isso, o autor acredita que não há evidência alguma que ligue mídias violentas à uma sociedade violenta.
“A sociedade tem usado seus poucos recursos para reduzir o problema da violência. Talvez estejam perdendo tempo com a coisa errada. Preocupar-se com as mídias violentas pode distrair a atenção para outras reais preocupações, como pobreza, educação, desigualdade social e saúde mental”, afirma o autor.
Ferguson ainda completou: “Essa pesquisa pode ajudar a sociedade a focar em problemas que realmente importam. Talvez isso faça com que parem de gastar recursos desnecessários com a perseguição de uma agenda moral sem valor real algum”.

Fonte:http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2014/11/estudos-comprovam-nao-ha-ligacao-entre-videogames-e-violencia.html

Mídia violenta não tem contribuído para o aumento da violência juvenil, afirma pesquisa (Foto: Reprodução)

Postagens mais visitadas deste blog

A ADOLESCÊNCIA E O DESPERTAR DA SEXUALIDADE

Eu e o Sexo:Tanto os pais como os professores encorajam para que eles tenham boas notas, aconselham a escolher cuidadosamente a sua área de estudo, pensar na média para fazer o curso; noutras palavras que construam um projecto de vida académico e profissional, mas esquecem-se daquilo que, hoje em dia, dá mais problemas: A Sexualidade. Esta fica num vácuo. Por vezes parece que as únicas alternativas oferecidas aos adolescentes, neste campo, são: a entrega para a mão de um preservativo, ou de uma embalagem de pílulas contraceptivas, com a mensagem (inconsciente) de: “Faz o que quiseres! Mas não me apareças em casa grávida ou doente!”, ou de não falar em nada relacionado com a sexualidade, com medo de lhes dar ideias.

Nesta idade os rapazes interessam-se pelo que está a acontecer com o seu corpo. Gostam de saber que a sua coordenação física, consequência do surto do crescimento que sofrem, é temporária e que vão voltar a ser uns azes no seu desporto favorito; que o tamanho do pénis não é…

AUTOMUTILAÇÃO,UM FLAGELO DOS JOVENS NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O QUE É A AUTOMUTILAÇÃO ?

Automutilação (AM) é definida como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os atos geralmente têm como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Borderline. As formas mais frequentes de automutilação são cortar a própria pele, bater em si mesmo, arranhar-se ou queimar-se. A automutilação é comum entre jovens e adolescentes que sofrem pressão psicológica.


DefiniçãoAutomutilação refere-se a comportamentos onde demonstráveis feridas são autoinfligidas. A maioria das pessoas que se automutilam estão bastante conscientes de suas feridas e cicatrizes e tomam atitudes extremas para escondê-las dos outros. Eles podem oferecer explicações alternativas para suas feridas, ou tapar suas cicatrizes com roupas. A pessoa que se automutila não está, usualmente, querendo interromper sua própria vida, mas sim usando esse comportamen…

"ESSA É UMA GERAÇÃO QUE QUER DESCONTRUIR",SEGUNDO PAULA LIMENA CURY AUTORA DO LIVRO THE MILLENIAL MIND

Formada em psicanálise, marketing e moda, Paula Limena Cury é diretora de projetos na Archetype Discoveries Worldwide, nos Estados Unidos, companhia que tem como clientes mais de 50 das empresas do ranking Fortune 100, entre outras (Foto: Arquivo pessoal)“Essa é uma geração que quer desconstruir“A passagem do mundo analógico para o digital criou um abismo inédito entre a forma de pensar das gerações. A “geração do milênio” não é responsável por tudo o que é ruim, alerta a autora do livro The Millenial Mind. Individualistas, hiperconectados, desfocados, preguiçosos e perturbadores do sistema. Essas são as características mais repetidas para definir a “geração Y” ou “geração do milênio” – pessoas nascidas entre 1980 e meados de 1990. Mas a brasileira Paula Limena Cury não concorda com nada disso. Usando da sua formação em psicanálise e marketing, a especialista em projetos de branding, inovação e estratégia desconstrói esses rótulos em seu livro The Millennial Mind (“A Mente Millennial”,…