Pular para o conteúdo principal

ESTUDOS COMPROVAM : NÃO HÁ LIGAÇÃO ENTRE VIDEOGAMES E VIOLÊNCIA

Mídia violenta não tem contribuído para o aumento da violência juvenil, afirma pesquisa (Foto: Reprodução)


Estudos comprovam: não há ligação entre videogames e violência


Pesquisador responsável acredita que está na hora de focar a atenção em problemas reais

Depois de anos de discussão – e infinitas suposições, um estudo publicado pelo psicólogo Christopher Ferguson, da Stetson University, mostrou que a relação entre o consumo de mídias violentas (como os games) e atos realmente violentos não existe. Mais que isso, a única tendência encontrada entre esses fatores no último século foi o fato de a violência ter diminuído entre os jovens.
O debate sobre essa relação é muito antigo. Desde 1920, quando a violência começou a ser retratada no cinema, a sociedade acaba ligando uma coisa a outra; normalmente reforçados por eventos pontuais, como alguns massacres ocorridos nos Estados Unidos. Contudo, o trabalho de Ferguson expõe que, ao passar das décadas, não houve nenhum elo significativo entre violência retratada e a propriamente dita.
Para o autor, os testes antigos – que normalmente mediam os níveis de agressão das pessoas enquanto jogavam games violentos e assistiam a filmes de ação – não ajudavam a entender essa questão. “Eles não conseguiam espelhar o que acontece realmente na vida”, conta o autor.
Primeiro, o pesquisador analisou os casos de filmes violentos e os dados de homicídios entre 1920 e 2005. Convidando experts independentes para seu estudo, ele e a equipe relacionaram os “níveis” de violência dos filmes mais populares com os números de crimes nos correspondentes anos. O resultado mostrou que não havia ligação entre ambos; a não ser no meio do século vinte. Nesse ponto da história, as duas taxas subiram muito: tanto de filme violentos como de atos. O curioso, no entanto, é que essa tendência atingiu o reverso em 1990.
Depois, Ferguson chegou aos games, analisando as taxas de consumo de jogos agressivos com os números de jovens violentos entre 1996 e 2011. Especialistas do US Entertainment Software Ratings Board (ESRB) quantificaram esses dados e chegaram aos mesmos resultados do cinema: uma diminuição na juventude homicida. Sobre isso, o autor acredita que não há evidência alguma que ligue mídias violentas à uma sociedade violenta.
“A sociedade tem usado seus poucos recursos para reduzir o problema da violência. Talvez estejam perdendo tempo com a coisa errada. Preocupar-se com as mídias violentas pode distrair a atenção para outras reais preocupações, como pobreza, educação, desigualdade social e saúde mental”, afirma o autor.
Ferguson ainda completou: “Essa pesquisa pode ajudar a sociedade a focar em problemas que realmente importam. Talvez isso faça com que parem de gastar recursos desnecessários com a perseguição de uma agenda moral sem valor real algum”.

Fonte:http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2014/11/estudos-comprovam-nao-ha-ligacao-entre-videogames-e-violencia.html

Mídia violenta não tem contribuído para o aumento da violência juvenil, afirma pesquisa (Foto: Reprodução)

Postagens mais visitadas deste blog

GERAÇÃO Z REVOLUCIONARÁ O MUNDO

PUBLICADO EM 24/02/15 - 03h00 INTERNET
‘Geração Z’ e a necessidade de ficar conectado o dia todo Padrões de consumo, de socialização e de informação sofreram mudanças
Paris, França. Velocidade? Sim. Paciência? Não. Redes sociais? Sim. Livros? Não. Ambição? Sim. Obediência? Não. Videogames? Sim. Esportes? Não. Fique de olho na “geração Z”, apressada, pragmática, autônoma e teimosa. Esses 2 bilhões de jovens nascidos depois de 1995, com a internet, estão decididos a construir uma vida distante dos códigos e das aspirações dos mais velhos. São “mutantes”, como são denominados por alguns pesquisadores, 
Fascinados por sua fusão com o mundo digital. Eles navegam em várias telas e estão acostumados ao “tudo ao mesmo tempo, agora”. Soa normal pagar muito pelo último smartphone e, ao mesmo tempo, baixar gratuitamente filmes e músicas na internet. Os códigos dos adultos parecem defasados para eles, que gostam das marcas “rebeldes” e se informam, sobretudo, por meio das redes sociais, segundo estudos r…

A ADOLESCÊNCIA E O DESPERTAR DA SEXUALIDADE

Eu e o Sexo:Tanto os pais como os professores encorajam para que eles tenham boas notas, aconselham a escolher cuidadosamente a sua área de estudo, pensar na média para fazer o curso; noutras palavras que construam um projecto de vida académico e profissional, mas esquecem-se daquilo que, hoje em dia, dá mais problemas: A Sexualidade. Esta fica num vácuo. Por vezes parece que as únicas alternativas oferecidas aos adolescentes, neste campo, são: a entrega para a mão de um preservativo, ou de uma embalagem de pílulas contraceptivas, com a mensagem (inconsciente) de: “Faz o que quiseres! Mas não me apareças em casa grávida ou doente!”, ou de não falar em nada relacionado com a sexualidade, com medo de lhes dar ideias.

Nesta idade os rapazes interessam-se pelo que está a acontecer com o seu corpo. Gostam de saber que a sua coordenação física, consequência do surto do crescimento que sofrem, é temporária e que vão voltar a ser uns azes no seu desporto favorito; que o tamanho do pénis não é…

O QUE É A GERAÇÃO Z E O MERCADO DE TRABALHO E DE CONSUMO ?

O que é Geração Z?
07/05/2013 Com frequência ouvimos muitos temas que discorrem a respeito da geração Y, porém uma nova geração vem despontado, a geração Z.

Com relação a idade, a geração Y é composta por jovens de 20 a 30 anos, e a geração Z por crianças e adolescentes de até 17 anos.

São os jovens que enquanto estudam a televisão fica ligada, ou mesmo podem estar postando em suas redes sociais e ouvindo música, ou seja estão acostumado a realizar ações com pluralidade.

A geração Z, semelhantes aos seus antecessores, são jovens inquietos, menos fiéis as marcas e adaptadas a realizar tarefas múltiplas. A diferença, entre ambas, é que a Z apresenta as mesmas características só de que maneira mais acentuada, uma vez que desenvolveu junto com os avanços tecnólogicos mais recentes.

Os especialistas apontam que é a geração Z é compreendida como uma geração que nasceu atrelada ao mundo de tecnologia, sendo impossível dar continuidade nas tarefas cotidianas sem a internet, smartphones, computadore…