Pular para o conteúdo principal

ESCRAVOS DO CELULAR ?

Escravos do celular?

Por Eliana Rezende


O tema é interessante e talvez por isso esteja na terceira pessoa.
Em maior ou menor grau estamos atropelados e invadidos pelos  meios de comunicação. Diferente do que ocorreu com o telefone fixo quando de seu surgimento, havia um "manual de uso e recomendações" sobre horários e situações.

O ilustrador americano J. J. Sedelmaier, que tem uma coleção das mais belas peças criadas pelo designer industrial Henry Dreyfuss, durante o longo reinado da Western Electric, Bell Telephone Company e AT&T, divulgou recentemente uma pequena preciosidade.

Trata-se do Manual confeccionado em 1950 pela Bell que ensinava o bê-a-bá a quem se iniciava no uso do telefone em casa. Uma delícia de lembrança de tempos idos. Confira:

O ritual de receber ou fazer uma ligação merecia horário e até uma mesinha de canto especial para o digno aparelho. A ligação era sempre recebida sentado e confortavelmente acomodado em uma cadeira ou poltrona. Nada merecia a interrupção da mesma, exceto por problemas de comunicação. Era usual o recolhimento de uma sala e uma porta fechada.  Tinha-se cuidado em não ligar em horários como almoço, jantar e nunca ligávamos após determinado horário.

Creio que não seja o caso de falar de um saudosismo sem sentido.
Talvez devamos pensar o quanto nossos hábitos foram transformados com uso de celulares.
Se tomarmos o exemplo do manual aqui apresentado, notamos o quanto nos afastamos do sentido de uso para alguns fins. Os telefones celulares invadem espaços públicos e muitas vezes nos "invadem" tornando pública a vivência e intimidade alheia.

A pergunta que fica é: será que com a aposentadoria do telefone com fio, todo o conjunto de boas maneiras também foi aposentado?

Óbvio que não estou aqui a divagar sobre um saudosismo sem sentido. Mas vamos lá:

Hoje as pessoas não se separam dos mesmos e eu pessoalmente já vi aeromoças tendo que discutir com passageiros que insistem em falar ao telefone, mesmo após o fechamento da aeronave. Os aeroportos nesse sentido, são exemplos de pessoas que são exímias no seu exercício da falta de respeito cotidiano: em busca de fechar um último negócio, marcar a última reunião ou dar a última recomendação às pessoas. Simplesmente esquecem-se de que partilham um espaço público e como tal não diz respeito a quem está ao lado sua vida pessoal ou seus negócios.  As salas de embarque parecem espaços de autistas (com minhas desculpas aos autistas), pessoas ensimesmadas (será que assim que se escreve) e sem disposição alguma a relacionar-se com o que não está devidamente garantido por uma blindagem virtual.  De fato, novos tempos e nem por isso melhores!
Os sons dos celulares que são rádios conseguem ser ainda mais invasivos e causar mais desconforto, pois além de ouvirmos quem está deste lado, ainda somos obrigados a ouvir quem está do outro lado com voz distorcida e barulhenta. Há ainda os que "gritam" e gesticulam e fazem-nos saber de tudo o que lhe vai à mente.

Infelizmente, perdeu-se a polidez da vida vivida em público e as pessoas esquecem-se do que seja educação neste sentido.

Há os que teimam em usar seu telefone no cinema, teatro e que sacam seus telefones não apenas para telefonar, mas para filmar e fotografar o alheio (um espetáculo de desrespeito à arte e a quem quer que seja que esteja numa situação de apresentar-se).

E porque não falamos dos celulares que saem das pias de banheiros e lavatórios direto para mesas de bar e restaurantes?! Isso é de fato o fim!
Qual então seria o caminho?
Alguém tem palpites?


Em verdade, deveríamos nos tornar donos do objeto e não o seu contrário!
Costumo dizer que o celular é um rastreador e que serve mesmo como uma tornozeleira de prisioneiro. Mas diferentes de outras algemas, essas temos as chaves e podemos escolher pôr ou tirar a hora que desejamos. Em geral, todos somos "rastreados" com nosso consentimento e o que ocorre é muito mais uma compulsão pelo ausente e uma infinita vontade de ser notado ou lembrado. Inúmeras discussões estão sendo frequentes no sentido de apontar para o grau de insegurança que muitos têm em não serem lembrados por meio de mensagens ou telefonemas.

Vejo cada vez mais que seria fundamental repensarmos as etiquetas de convívio social. Interessante pensarmos que este mundo tão conectado e interligado gera fossos gigantes entre pessoas que às vezes partilham o mesmo quarto ou como no caso aqui: partilham a mesma mesa de bar. Cada um muitas vezes trouxe apenas o corpo e largou a alma e a concentração em outra parte.

Mundo interessante o nosso: conseguiu separar o que só na ficção e algumas religiões se via, ou seja, o corpo da alma!

Estamos assistindo uma profunda transformação social, cultural, de tecnologias e costumes. Só que estas não vieram acompanhadas de um sentido de autoconhecimento e refinamento pessoal (aqui entendido como o que é o nosso espaço e o que é o do outro). Esse equívoco comportamental tem levado muitos a viver este desconforto, em especial em relação aos que passam longe das regras mínimas de convívio.
Há um reforço no mundo contemporâneo por atitudes egocentradas. Onde as pessoas simplesmente não acham que erram, porquê consideram que o que fazem é seu direito.

Entramos de fato na situação clássica de estendermos ao outro o direito de controlar nossas ações. A partir do momento que estabelecemos essa relação entramos na situação de consentimento. Aí entram todas as formas de controle e cobrança.

Acho que conseguir manter a sanidade de hierarquizar prioridades, pessoas e lugares será o único caminho de continuarmos a ser donos de nós e de nossas ações. Se assim não fizermos, teremos outras pessoas e gadgets fazendo isso por nós.

Esta é a medida das coisas: entender que qualquer forma de tecnologia cumpre seu dever se ocupa o seu espaço devido em nossas vidas, sem escravizar-nos nem impor-nos comportamentos e ações.

A sociedade como um todo terá que aprender como dividir, ceder espaços e adequar posturas. O caminho parece longo, e em vários casos, as pessoas não parecem entender o quanto isto é importante para uma coexistência pacífica entre todos.
Meu celular tem horário de funcionamento e respeita o fim de semana... para o meu bem e de todos os que me cercam!

A ideia da intermediação por meios externos se estende a muitas de nossas formas de convívio e relação com o mundo de hoje. Encapsulamo-nos em diferentes formas que produzem uma relação indireta: é o caso dos carros, das redes sociais, dos gadgets em geral e claro está: do celular.

Estas vias externas retiram a sensação do olho no olho e colocam o indivíduo sempre às voltas com ele próprio e com o que considera seu universo de ação e direito. É só olharmos na rua e veremos a quantidade de pessoas com seus fones de ouvidos fechados cada um em seu mundo.

Este ainda é um bom caso. Pior são os que estendem seus desejos e os impõem aos outros: caso típico das conversas altas ao celular e as músicas tocadas em alto e bom som de seus carros (analisados pela psicologia como uma forma do indivíduo conceber o que seja o seu próprio corpo!).

Tomando-se por este olhar, não sei para onde vamos, mas sei que vamos mal!

Fonte:http://pensadosatinta.blogspot.com.br/2014/04/escravos-do-celular.html

Postagens mais visitadas deste blog

A ADOLESCÊNCIA E O DESPERTAR DA SEXUALIDADE

Eu e o Sexo:Tanto os pais como os professores encorajam para que eles tenham boas notas, aconselham a escolher cuidadosamente a sua área de estudo, pensar na média para fazer o curso; noutras palavras que construam um projecto de vida académico e profissional, mas esquecem-se daquilo que, hoje em dia, dá mais problemas: A Sexualidade. Esta fica num vácuo. Por vezes parece que as únicas alternativas oferecidas aos adolescentes, neste campo, são: a entrega para a mão de um preservativo, ou de uma embalagem de pílulas contraceptivas, com a mensagem (inconsciente) de: “Faz o que quiseres! Mas não me apareças em casa grávida ou doente!”, ou de não falar em nada relacionado com a sexualidade, com medo de lhes dar ideias.

Nesta idade os rapazes interessam-se pelo que está a acontecer com o seu corpo. Gostam de saber que a sua coordenação física, consequência do surto do crescimento que sofrem, é temporária e que vão voltar a ser uns azes no seu desporto favorito; que o tamanho do pénis não é…

O EFEITO DAS DROGAS NO SEXO

O Efeito das drogas no sexo. Drogas são substâncias naturais ou sintéticas que produzem alguma mudança mental ou física ao entrarem no organismo, modificando assim suas funções.
Há drogas cujos uso e comercialização são permitidos por lei como o tabaco, o álcool, os calmantes, os estimulantes ou depressores do apetite, por exemplo.
As drogas naturais vêm de algumas plantas, de animais e de alguns minerais. Ex.: cafeína (café), nicotina (tabaco), ópio (papoula), THC (maconha).
As drogas sintéticas são produzidas em laboratório.

Não há como falar em drogas sem fazer referência aos efeitos nocivos ou às suas possíveis consequências em relação à sexualidade.
As palavras sexo e drogas pareceram historicamente possuir um “e” entre elas. Como se o consumo de drogas e a atividade sexual fizessem parte de um mesmo comportamento.
Isso tudo porque existe a idéia de que o prazer do ato sexual é potencializado pela ação de substâncias químicas!!!


Porém, o que os estudos nos mostram é que a sexualidade é a…

O SIGNIFICADO DA AMIZADE COLORIDA

O SIGNIFICADO DA AMIZADE COLORIDA O que é Amizade Colorida:
Amizade colorida é um tipo de relacionamento onde há interação ou intenção sexual entre os envolvidos, mas isso não significa que sejam amigos. A diferença da amizade colorida para a amizade tradicional é a intimidade física que faz parte do relacionamento, não implicando compromisso com o parceiro. A tradução de amizade colorida para inglês é friends with benefits, cuja tradução literal é "amigos com benefícios". A amizade colorida tem as características de um namoro oficial, com beijos, abraços, carícias íntimas etc., mas não há as mesmas obrigações, como fidelidade, por exemplo. Surge a qualquer momento, seja com um amigo de infância, que passa a ser visto de forma diferente, seja com uma pessoa que conheceu numa festa e gostaria de voltar a encontrar, mas sem compromisso. Pode acontecer de uma delas (ou mesmo as duas), se apaixonar e querer levar a relação para algo mais sério. As consequências podem ser o término da …