Pular para o conteúdo principal

SEXUALIDADE E ADOLESCÊNCIA : EXERCÍCIO DA AFETIVIDADE



A sexualidade de um indivíduo define-se como sendo as suas preferências, predisposições ou experiências sexuais na experimentação e descoberta da sua identidade e actividade sexual.

A sexualidade começa no dia de nascimento e termina no dia de morte, no entanto, é na adolescência (Daniel Sampaio define adolescência como sendo uma etapa do desenvolvimento, que ocorre desde a puberdade à idade adulta, ou seja, desde a altura em que as alterações psicobiológicas iniciam a maturação sexual até à idade em que um sistema de valores e crenças se enquadra numa identidade estabelecida), que normalmente se tem o primeiro contacto com o acto sexual. É um período de grande crescimento e transformações, onde tudo é vivido intensamente.

Em cada período da nossa vida, a sexualidade manifesta-se de formas diferentes, portanto a sexualidade de uma criança é completamente diferente da sexualidade de um jovem ou adulto.

A sexualidade é algo normal, inerente a cada ser humano – logo deve ser encarado com naturalidade, e acima de tudo não deve ser encarado como tabu, ou com preconceito.
Portanto, todos nós deveremos ter informação sobre sexo e tudo o que com ele se relaciona. Ainda mais para nós, jovens!
 
Fonte:http://jovens-informados.blogspot.com.br/

Postagens mais visitadas deste blog

A ADOLESCÊNCIA E O DESPERTAR DA SEXUALIDADE

Eu e o Sexo:Tanto os pais como os professores encorajam para que eles tenham boas notas, aconselham a escolher cuidadosamente a sua área de estudo, pensar na média para fazer o curso; noutras palavras que construam um projecto de vida académico e profissional, mas esquecem-se daquilo que, hoje em dia, dá mais problemas: A Sexualidade. Esta fica num vácuo. Por vezes parece que as únicas alternativas oferecidas aos adolescentes, neste campo, são: a entrega para a mão de um preservativo, ou de uma embalagem de pílulas contraceptivas, com a mensagem (inconsciente) de: “Faz o que quiseres! Mas não me apareças em casa grávida ou doente!”, ou de não falar em nada relacionado com a sexualidade, com medo de lhes dar ideias.

Nesta idade os rapazes interessam-se pelo que está a acontecer com o seu corpo. Gostam de saber que a sua coordenação física, consequência do surto do crescimento que sofrem, é temporária e que vão voltar a ser uns azes no seu desporto favorito; que o tamanho do pénis não é…

AUTOMUTILAÇÃO,UM FLAGELO DOS JOVENS NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O QUE É A AUTOMUTILAÇÃO ?

Automutilação (AM) é definida como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os atos geralmente têm como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Borderline. As formas mais frequentes de automutilação são cortar a própria pele, bater em si mesmo, arranhar-se ou queimar-se. A automutilação é comum entre jovens e adolescentes que sofrem pressão psicológica.


DefiniçãoAutomutilação refere-se a comportamentos onde demonstráveis feridas são autoinfligidas. A maioria das pessoas que se automutilam estão bastante conscientes de suas feridas e cicatrizes e tomam atitudes extremas para escondê-las dos outros. Eles podem oferecer explicações alternativas para suas feridas, ou tapar suas cicatrizes com roupas. A pessoa que se automutila não está, usualmente, querendo interromper sua própria vida, mas sim usando esse comportamen…

"ESSA É UMA GERAÇÃO QUE QUER DESCONTRUIR",SEGUNDO PAULA LIMENA CURY AUTORA DO LIVRO THE MILLENIAL MIND

Formada em psicanálise, marketing e moda, Paula Limena Cury é diretora de projetos na Archetype Discoveries Worldwide, nos Estados Unidos, companhia que tem como clientes mais de 50 das empresas do ranking Fortune 100, entre outras (Foto: Arquivo pessoal)“Essa é uma geração que quer desconstruir“A passagem do mundo analógico para o digital criou um abismo inédito entre a forma de pensar das gerações. A “geração do milênio” não é responsável por tudo o que é ruim, alerta a autora do livro The Millenial Mind. Individualistas, hiperconectados, desfocados, preguiçosos e perturbadores do sistema. Essas são as características mais repetidas para definir a “geração Y” ou “geração do milênio” – pessoas nascidas entre 1980 e meados de 1990. Mas a brasileira Paula Limena Cury não concorda com nada disso. Usando da sua formação em psicanálise e marketing, a especialista em projetos de branding, inovação e estratégia desconstrói esses rótulos em seu livro The Millennial Mind (“A Mente Millennial”,…